Privacidade ou Exposição – eis a questão

Quando meu filho tinha dois anos, eu e meu esposo recebemos a notícia de que ele tinha vários sinais de TEA (Transtorno do Espectro Autista), e fomos aconselhados a começar a investigar. Uma das profissionais que acompanhavam o Kyle disse que não deveríamos divulgar a notícia até que tivéssemos certeza do diagnóstico, para não sofrermos preconceito. Não demorou e chegamos a conclusão de que precisávamos nos expor a fim de receber ajuda. Alguns meses depois de contarmos às pessoas mais próximas, já havíamos recebido ajuda, mas também havia passado por situações que não me fizeram bem. Então, me isolei novamente. Mais alguns meses se passaram e recebi uma clara direção do Espírito de que deveria compartilhar publicamente a experiência da nossa família, a fim de abençoar outras famílias que estavam passando pelo mesmo que passamos um ano antes.

Nossa vida é tecida por momentos que exigem privacidade, e momentos em que precisamos nos expor, seja para receber ajuda, ou para ajudar aos outros.

Protegemos a nossa privacidade porque ela nos traz segurança e conforto. Em geral, através da privacidade cumprimos o propósito de Deus e o glorificamos. Mas há contextos em que a privacidade, ao invés de nos proteger, nos prejudica, não glorifica a Deus, e nos impede de cumprir nossa parte no avanço do reino de Deus.

Filipenses 2: 5-11 nos mostra que Jesus abriu mão da sua privacidade e se tornou vulnerável por amor à humanidade. Ao vir ao mundo Ele ficou desprotegido, exposto e dependente de outras pessoas. Não é isso que a falta de privacidade faz com a gente? Perdemos o controle. Entretanto, Jesus precisava dessa exposição para cumprir sua missão. Desde o início, Deus orquestrou a vida de Jesus com episódios privados, a começar pela sua concepção. O anjo só contou a novidade para Maria. Depois, José entrou para o clube. Houve mais privacidade quando Maria foi ficar com sua prima Isabel. Jesus nasceu na privacidade de outra cidade. Que linda proteção nosso Salvador recebeu enquanto era tão vulnerável como um bebezinho! Entretanto, Jesus não podia ficar no modo “privado” para sempre. Ele tinha um propósito a cumprir. Então, a narrativa bíblica nos conta que aos doze anos ele se expôs entre os mestres de Jerusalém na festa da Páscoa. A vida de Jesus, em geral, foi bem reservada. Fazia parte do plano de Deus que Ele não se tornasse um pop star enquanto crescia. Todavia, a hora chegou e Jesus saiu da toca, da segurança e anonimato de uma cidadezinha. O Espírito o levou ao deserto para ser tentado por Satanás, e, logo depois, Jesus começou a se expor, assim como à mensagem do Reino. As curas e milagres foram aumentando. O ministério e toda a sua vida era pública. Será? Não, nem toda. Mesmo em seu ministério público Jesus precisou se preservar. Ele tinha momentos a sós com seus discípulos. E, dentre os discípulos, ele era mais íntimo de três. Ele tinha momentos a sós com Deus. Ele fugiu de multidões, de seus discípulos, e fugiu de um lugar para o outro. Houve vezes em que fugiu de argumentos e dava um perdido nos seus opositores. O ministério de Jesus foi marcado pela alternância de momentos de privacidade e de exposição.

Enfim, Jesus foi humilhado publicamente, argumentou abertamente, sofreu aos olhos de todos e ficou completamente vulnerável na cruz. Jesus renunciou sua privacidade por amor a nós! E também precisamos ser liderados pelo Espírito, a fim de glorificarmos ao Pai através da nossa privacidade, ou da falta dela.

Escrito por

Tainise, carioca de 40 anos, casada há 17 com o Orivaldo, que é de Bauru (SP), e mãe do Kyle (4 anos). Conheci meu esposo na agência missionária Jocum (Jovens com Uma Missão), onde servimos a Deus por dez anos. Sou formada em Letras (Português-Árabe) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e congrego na Igreja Presbiteriana do Brasil no Rio de Janeiro. Depois de alguns anos tentando me tornar escritora de literatura infanto-juvenil, e tradutora de literatura infantil árabe, Jesus me chamou para escrever (e ministrar) sobre sexualidade para mulheres cristãs. Em 2018 comecei o blog http://tainise.com.br/ como uma forma de cumprir meu chamado para escrever, encorajar e mentorear. Sou extremamente informal, gosto de sentar no chão, andar descalço e brincar com crianças. Também curto falar inglês, conhecer pessoas de outras culturas e me sinto realizada quando conecto as pessoas umas às outras.

2 comentários em “Privacidade ou Exposição – eis a questão

  1. De fato! Proteger nossa privacidade nos dá segurança! Meu irmão caçula, Gustavo, nasceu com Oligofrenia associada a várias comorbidades, inclusive autismo. Isso foi em 1968. Imagine que naquela época tudo era bem diferente. Meus pais sofreram muito e optaram por um estilo de vida em “clausura”. Doía demais ver a reação das pessoas ante alguns comportamentos do Guga. Ah se na época eles tivessem conhecido a Graça Maravilhosa em suas vidas…

    Curtido por 1 pessoa

    1. A geração atual tem muito mesmo a agradecer às anteriores. De vez em quando alguém me para a fim de compartilhar uma experiência parecida com a de sua família, Mônica. Que a graça de Deus continue alcançando cada vez mais famílias através de nosso testemunho e serviço.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s